Por que ter um Blog em seu site?

É raro encontrar um site institucional que não possua uma página dedicada para postagens do tipo blog.

Isso acontece porque o formato do blog é indicado para que postagens sejam facilmente adicionadas a qualquer momento e o foco é manter uma constante atualização e interação direta com o público alvo – as personas.

Quando seu site tem essa opção, o que se busca é poder realizar modificações frequentes, inserindo conteúdos diferentes, além das informações principais, como endereço, qualificações, projetos e descrições de produtos e serviços, sem que seja necessário alterar toda a estrutura e refazer a página inúmeras vezes.

Ter um blog acrescenta inúmeras vantagens que o site comum não consegue oferecer, devido ao seu formato mais engessado. Algumas delas são:

 

  • Ranqueamento em buscadores

Atualmente existem diversas técnicas para alavancar o ranking de sites em mecanismos de busca, ou seja, que permitam que eles figurem entre as primeiras páginas quando um assunto relacionado a sua página é consultado.

Quando os sites ficam sem atualizações, é comum que eles acabem perdendo espaço nos buscadores, afinal é como se o conteúdo ficasse obsoleto e a página estivesse abandonada.

Com os blogs, é possível sair dessa limitação e fazer uso das ferramentas que mantém o site sempre na disputa por espaço de divulgação, evitando assim que ele seja esquecido.

 

  • Captação de clientes

A maioria das pessoas costuma utilizar a internet para realizar consultas de serviços, produtos e informações, recorrendo a serviços como o Google.

Segundo a pesquisa TIC-Domicílios de 2016, 59% dos usuários da internet procuram por informações de serviços e produtos na rede, chegando a 87% entre pessoas da classe A e 74% entre os da classe B.

Como os blogs são fundamentais para manter seu site bem colocado nos mecanismos de busca, eles acabam sendo uma ferramenta ideal para quem quer captar mais clientes.

 

  • Interação com o público

O principal conteúdo postado em blogs é referente a informações úteis ao público que acessa o site.

É comum que haja espaços para comentários após cada artigo publicado, e, muitas vezes, eles também são compartilhados nas redes sociais, onde o público tem maior liberdade de interação com as centrais de atendimento.

Dessa maneira, é possível manter um contato regular com suas personas, sabendo das suas preferências, reclamações e tendo feedback sobre o que seu público aceita bem e o que rejeita.

 

  • Atualização constante do público:

Com os blogs, é possível manter o seu público-alvo sempre atualizado sobre as novidades que você oferece.

A cada novo acesso realizado, será possível que o seu cliente obtenha mais informações, com um conteúdo inédito, o que chama bastante atenção.

Dessa forma, sempre que uma busca for realizada para conseguir seu contato, por exemplo, ela pode se tornar uma ótima maneira de divulgar mais o serviço oferecido e reverter isso em negócios mais rentáveis.

 

Manter sua página sempre atualizada, fazendo uso das ferramentas disponíveis para esse fim, como o blog, é uma das melhores maneiras para divulgar o seu trabalho ou negócio.

Não deixe de fazer uso dos blogs e alcançar maior espaço no ambiente virtual, deixando seu site sempre bem ranqueado, conquistando o público e o mantendo informado.

O que é Neuromarketing?

Profissionais de marketing devem sempre estar atentos às tecnologias mais recentes, que auxiliam na captação de clientela e definição de planos de ação para aumentar as vendas, a visibilidade do produto, sua inserção no mercado e a aceitação pelos consumidores.

Uma das técnicas mais atuais na área é o neuromarketing, uma nova maneira de criar estratégias e obter dados para a venda de produtos, captar e fidelizar clientes.

A sua base é a realização de estudos sobre o comportamento humano que leva a uma melhor compreensão sobre os motivos que levam à escolha de produtos e marcas, assim como o que está por trás da tomada dessas decisões.

O neuromarketing também estuda como o cérebro reage a determinados estímulos, além dos comportamentos psicológicos que podem influenciar as preferências de quem compra um produto ou serviço.

 

Como são feitos os estudos?

Nas pesquisas de neuromarketing, são utilizados instrumentos para análise do funcionamento do cérebro, como a ressonância magnética, que auxiliam na identificação de gatilhos para as reações obtidas.

Outra vantagem é que sua aplicação não é restrita apenas a investigar o comportamento dos consumidores. Por isso  experiências físicas, virtuais, desenvolvimento de marcas de publicidade e inovação, por exemplo, podem ser beneficiados com as pesquisas na área.

Existem vários métodos para serem aplicados em diversas áreas do marketing que já foram comprovados como eficientes, pelo neuromarketing, para captar a clientela, cinco dos quais você pode conferir abaixo:

 

  • Design da embalagem

Todos sabem que as embalagens são uma das principais maneiras de chamar a atenção do consumidor para seu produto.

O que o neuromarketing provou é que as cores usadas, as fotos e desenhos apresentados, o material utilizado e até as informações sobre os produtos mudam a influência que a embalagem tem na escolha do consumidor.

 

  • Menos pode ser mais

As dificuldades dos consumidores em escolher um produto e as características que esperam ou precisam que ele tenha criam uma grande dificuldade para profissionais do marketing.

Oferecer muitas opções pode causar um fenômeno chamado de “paralisia da decisão”, quando o consumidor acaba se perdendo e não consegue fazer uma escolha.

Pesquisas de neuromarketing ajudam a comprovar que oferecer menos opções pode ajudar nas vendas, o que pode ocorrer, por exemplo, dispondo menos opções do mesmo produto em expositores.

 

  • Medo de perder

As pessoas têm medo de perder, e esse comportamento tem muito mais influência do que a vontade de ganhar.

Essa percepção, comprovada pelo neuromarketing, pode ajudar na realização de ofertas para aumentar vendas: promoções com frases como “Temos poucas unidades” ou “Corra para não ficar sem” são mais eficientes do que “Compre 2 e ganhe mais 2”.

 

  • Rapidez e eficiência

Muitas vezes, uma abordagem publicitária que enfatize o produto por sua facilidade, conveniência e rapidez pode ter muito mais resultados do que ressaltar a confiabilidade dele, por exemplo.

Com o neuromarketing foi possível descobrir que as pessoas preferem ideias de agilidade e eficiência às promessas de segurança.

 

  • O layout ideal

Há relativamente pouco tempo os sites têm adotado um layout baseado na rolagem, de maneira vertical, do que o tradicional horizontalizado.

As influências por trás dessa mudança podem estar em pesquisas de neuromarketing, que provaram que as pessoas conseguem manter interação e leitura por mais tempo com esse sistema.

 

O neuromarketing é uma nova maneira de ver a publicidade e investir na captação de clientes, com estudos que garantem a obtenção de resultados esperados.

Procure conhecer mais essa metodologia inovadora e usufrua dos benefícios que ela irá trazer para seu negócio.

Normas do CFM, o que pode e o que não pode para a publicidade médica

Cada vez mais, a população se conscientiza da importância de investir em saúde, além de procurar serviços de medicina estética, terapias e outros tratamentos que têm cada vez mais espaço nas rotinas de cuidados pessoais.

Esse fator, aliado ao aumento de clínicas populares e de planos de saúde, faz com que a publicidade médica seja uma necessidade para todo empreendedor que deseja obter sucesso na área.

Entretanto, é preciso, acima de tudo, respeitar as normas que garantem que a divulgação de serviços na área seja realista e respeitosa com quem os procura, evitando ilusões, falsos tratamentos e graves problemas no futuro.

Para isso, o CFM, em 2011, elaborou a resolução 1.974, visando às boas práticas na publicidade médica.

Elas são imprescindíveis para que essa área tão nobre continue mantendo seu objetivo primordial, de cuidar da saúde da população.

Para lhe ajudar a não cometer erros e sofrer graves punições previstas pelo CFM, reunimos as principais diretrizes em cinco dicas básicas para realizar a publicidade médica, garantindo sucesso e credibilidade ao seu investimento:

 

  • Dica Número 1: Respeitar o bom senso

Respeitar o bom-senso é sempre importante quando for fazer publicidade, principalmente na área médica.

Ou seja, nenhuma publicidade deve ser enganosa, referindo ser especialista em área da qual não se é, prometendo resultados, tratamentos não-reconhecidos oficialmente, fazendo propagandas, utilizando pacientes para divulgar tratamentos, entre outras medidas divulgadas, principalmente, no artigo 3° da resolução.

No art. 11, estão previstas regras quanto à manutenção do segredo médico e à necessidade de elaborar os documentos de forma impessoal e verídica.

 

  • Dica Número 2: Sempre dizer a verdade

Em uma área tão importante que trata da saúde e bem-estar das pessoas, passar informações verdadeiras é crucial para evitar ilusões e falsas expectativas.

O art. 7° dá ao profissional a possibilidade de encaminhar ofício ao CRM e ao órgão de imprensa responsável quando não concordar com o teor de declarações a ele atribuídas em matérias jornalísticas.

Por isso, os artigos 8° e 9°, § 2° da Resolução 1974 do CFM preveem a proibição de que o médico preste informações públicas sem finalidade educativa, evitando sensacionalismo – como a divulgação de métodos sem reconhecimento científico.

Também é vetada a adulteração de dados, a indução dos espectadores a esperar resultados e a promessa de resultados.

 

  • Dica Número 3: Respeito às limitações

É importante que sempre sejam respeitados os limites de cada profissional e estabelecimento, como se manter em sua área de atuação.

Quando for apresentar um trabalho, sendo necessário expor a figura do paciente, sempre é necessária a autorização prévia deste.

Além disso, é recomendado ao profissional sempre consultar a Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos e CRMs para dar o enquadramento correto à sua publicidade.

 

  • Dica Número 4: Boas práticas na profissão

As boas práticas na profissão podem ser descritas como medidas que evitem publicidade excessiva, como a participação de seleções de profissional do ano (prevista no art. 12) e a autopromoção (art. 9°, §1°).

 

  • Dica Número 5: Fornecer o máximo de informações

É essencial que os anúncios contenham nome do profissional, especialidade na qual ele possui registro no CRM e seu número de inscrição no Conselho e RQE.

Conforme o art. 5°, nos anúncios de clínicas, hospitais, casas de saúde e outras instituições de saúde deve sempre constar o nome do diretor técnico médico e sua inscrição no CRM da jurisdição do estabelecimento.

 

A publicidade médica é essencial para o profissional que deseja evoluir na área. Para garantir sua idoneidade e evitar complicações legais, é necessário que se observe a resolução do CFM.

Ela garante que o público interessado tenha o máximo de informações verídicas necessárias, sem que haja tentativa de iludi-lo.

Seguir essas cinco dicas irá garantir que você tenha sucesso com a divulgação de seu serviço e conquiste seu público de forma respeitosa e idônea.

 

Link para a resolução 1974 do CFM.

 

Por que médicos devem participar do LinkedIn?

O LinkedIn é uma rede social de negócios criada no ano de 2003 inicialmente com o objetivo de aumentar as possibilidades de networking entre profissionais de diversas áreas, além de empresas e pessoas que estivessem procurando novos trabalhadores.

Em 2017, ela atingiu a marca de 500 milhões de usuários no mundo todo, estando disponível em 24 línguas e com diversos recursos para potencializar a  interação profissional, como uma página que possibilita a criação de artigos, semelhante a um blog (LinkedIn Pulse), páginas corporativas (Company Page) e diversos grupos para interação entre os membros.

Atualmente é uma ferramenta muito utilizada por pessoas que procuram se recolocar no mercado de trabalho ou encontrar uma nova empresa, por aqueles que querem estabelecer contatos e também por empreendedores que buscam parcerias.

Apesar de estratégias como o LinkedIn serem mais usadas por pessoas relacionadas às áreas de administração, finanças, economia e tecnologia da informação, seu uso no ramo da medicina é bastante significativo: existem mais de 87 mil médicos cadastrados no Brasil e mais de 10 mil empresas cadastradas na área.

 

Por que médicos devem participar do LinkedIn?

Um dos melhores motivos para o uso dessa rede social é expandir os contatos, tanto entre colegas da área da saúde, quanto com companhias – que vão de hospitais a empresas farmacêuticas, ou até mesmo aquelas que necessitam de profissionais da medicina em seus quadros de funcionários.

Além disso, é possível aumentar as conexões a partir de contatos conhecidos, o que pode ser bastante vantajoso, já que falar com um antigo colega da faculdade, por exemplo, pode ser uma ótima maneira de encontrar uma referência para quando for mudar de cidade ou indicar para um emprego.

 

Como participar?

Para participar dessa rede e usufruir de todos os seus benefícios, é necessário realizar um cadastro simples, com informações de nome, e-mail e residência.

O próprio sistema realiza as primeiras conexões entre você e os contatos que já possui no e-mail informado, além de poder relacionar pessoas adicionadas no Skype e em outras redes sociais.

Após, é preciso preencher o perfil da melhor maneira, para que fique atrativo aos “headhunters” – especialistas na busca de profissionais para trabalhar nas empresas.

Um perfil atraente deve conter um resumo das principais habilidades do usuário, assim como os empregos mais relevantes, interesses, além de uma boa foto.

A criação de um perfil no Pulse pode ser muito interessante, já que lá é possível demonstrar suas habilidades e seus conhecimentos com a escrita e publicação de artigos.

Caso você possua uma empresa na área médica, o ideal é investir em uma Company Page e selecionar uma equipe habilitada para recrutar os melhores profissionais.

Fique atento às oportunidades que surgem na área médica e crie logo seu perfil no LinkedIn! Assim você saberá das novidades mais importantes das empresas do ramo, poderá estabelecer contatos importantes com grandes nomes da medicina e encontrar as melhores oportunidades para crescer como profissional!

Como podemos usar o WhatsApp em ambientes hospitalares?

O uso de novas tecnologias de comunicação instantânea, como o Whatsapp, em ambientes profissionais é cada vez mais comum, pois elas ajudam a agilizar o trabalho, além de serem econômicas.

Em ambientes hospitalares, os aplicativos modernos podem ter várias aplicações, e são convenientes por serem silenciosos, simples de utilizar e possuírem diversos recursos que ajudam no repasse de informações vitais.

Para auxiliar os profissionais da saúde a inserirem esse aplicativo em sua rotina de trabalho, elaboramos uma lista com seus usos em ambientes hospitalares. Confira!

 

  • Comunicação entre profissionais

Essa talvez seja a principal aplicabilidade do Whatsapp em hospitais, pois todos os profissionais utilizam smartphones e os carregam consigo nos ambientes que frequentam.

Utilizar o aplicativo é uma forma de garantir comunicação eficiente, rápida e silenciosa entre funcionários, sendo muito melhor que do fazer uma ligação, o que pode interromper uma atividade importante.

 

  • Esclarecimento de dúvidas

É comum que, em hospitais, dúvidas surjam, seja por parte da equipe ou dos familiares dos pacientes, o que pode ser uma tarefa um tanto difícil já que, muitas vezes, o profissional responsável não se encontra em setor próximo.

Também é recorrente a consulta entre colegas de diferentes setores, para esclarecer simples dúvidas sobre a possibilidade de transferência de pessoas, ou, até mesmo, a respeito de procedimentos a serem realizados.

Quando a equipe é treinada para usar Whatsapp no ambiente hospitalar, essas questões da rotina podem ser facilmente resolvidas já que a comunicação é fácil e instantânea, economizando um tempo que pode ser precioso para salvar vidas.

 

  • Envio de imagens

Outro fato que envolve a comunicação entre profissionais é o envio de imagens referentes a exames diversos, desde hemogramas até os mais complexos, como PET-SCAN, assim como prontuários, requisições, receitas, entre outros.

Com o uso do Whatsapp em ambiente hospitalar, os médicos podem enviar fotos desses documentos no mesmo momento em que eles são requisitados, auxiliando no esclarecimento de dúvidas e na tomada rápida de decisões essenciais.

 

  • Comunicação de escalas de trabalho e mudanças

Uma situação muito comum para quem trabalha em hospitais é a constante mudança de horários e escalas o que, muitas vezes, ocorre de maneira repentina, com pouco espaço de tempo para encaixe de outro profissional que substitua aquele que precisa faltar.

Além disso, é importante que as trocas sejam realizadas por colegas de áreas e competências semelhantes, o que dificulta ainda mais o encaixe de outro profissional.

Com o uso do Whatsapp, essa tarefa se torna muito mais simples, até mesmo porque os profissionais podem criar diversos grupos, incluindo colegas de outros estabelecimentos e de várias especialidades, agilizando quando for necessário organizar horários e escalas.

 

  • Consultas entre diferentes instituições

Em muitos hospitais, como os universitários, é recorrente a realização de trocas de experiências entre profissionais de outras instituições, o que auxilia no desenvolvimento de novas técnicas, melhorias no ensino e também para pesquisas.

O Whatsapp é um instrumento que facilita muito essas interações, permitindo agilidade na consulta a colegas com mais experiência ou cuja especialização é em área diversa.

 

Aplicativos de mensagens instantâneas como o Whatsapp são uma ferramenta muito importante para ser usada nos ambientes hospitalares, pois conferem agilidade e economia de tempo em um setor vital.

O treinamento dos profissionais para que aprendam a inserir o aplicativo em sua rotina de trabalho é essencial, pois assim é possível garantir a máxima eficiência e os melhores resultados que o uso desta ferramenta pode oferecer.

 

Investimento em Marketing Digital Médico: Uma estratégia de conteúdo

O que é Marketing Médico Digital?